Vinho: Espera-se uma boa colheita no Douro este ano

Nacional

autor

Lusa

contactar num. de artigos 45512

A Região Demarcada do Douro estima um aumento da colheita para as cerca de 300 mil pipas nesta vindima, mas as atenções estão muito concentradas nas condições meteorológicas que poderão condicionar a produção.

Já se vindima no Douro. Algumas propriedades começaram a cortar as uvas brancas, enquanto as tintas estão um pouco mais atrasadas em termos de amadurecimento. Dentro de duas semanas a região demarcada estará em plena vindima.

Segundo dados da Associação de Desenvolvimento da Viticultura Duriense (ADVID), a expetativa de colheita para esta vindima possui um intervalo entre as 303 e as 366 mil pipas.

O responsável pela ADVID, Fernando Alves, disse à agência Lusa que se prevê uma “boa” colheita no Douro, mas “não extraordinária”.

A confirmarem-se as previsões, o aumento da produção será de cerca de 40 por cento comparativamente com a declarada no ano passado (211 mil pipas) e cerca de 20 a 25 por cento superior à média de produção do Douro (265 mil pipas).

Fernando Alves referiu ainda que a colheita deverá rondar o intervalo inferior porque o intenso calor que se fez sentir neste verão “limitou um pouco o crescimento do bago para grandes volumes”.

Quanto à qualidade, o responsável espera um “resultado final muito bom”.

Isto porque, explicou, verificou-se um 'bom abastecimento de água durante o inverno e primavera que ajudaram a planta durante o verão'. Já não chove no Douro desde 10 de junho.

“Medições feitas esta semana revelam que ainda existe uma razoável disponibilidade hídrica para as plantas e se a temperatura não for excessivamente alta a videira vai trabalhar mais depressa e melhor”, salientou.

Do ponto de vista sanitário, a doença que mais afetou a vinha este ano foi o oídio, obrigando os produtores a estarem muito atentos e a fazerem vários tratamentos.

Regularmente, Francisco Ferreira vai ver as previsões meteorológicas para os próximos dias. Esta é uma ferramenta a que recorre o responsável pela gestão agrícola e administrativa da Quinta do Vallado, localizada na zona do Baixo Corgo recorre cada vez mais.

O Vallado começou esta semana a cortar as uvas brancas e, para já, Francisco Ferreira, perspetiva uma boa produção e de boa qualidade. “As uvas estão sãs”, salientou.

Só que, acrescentou, essa mesma qualidade pode ser radicalmente alterada num curto espaço de tempo.

“Com a previsão do tempo podemos organizar melhor as coisas. Por exemplo, tenho umas uvas que só prevejo apanhar daqui a sete dias, mas se as previsões do estado do tempo me dizem que vai chover dentro de cinco dias, eu vou antecipar o corte dessas mesmas uvas”, salientou.

No Douro Superior, também Francisco Olazabal, da Quinta do Vale Meão, estima um aumento da produção em mais cerca de 40 por cento comparativamente com o ano passado.

“Choveu muito no inverno e as videiras têm muita água disponível no subsolo e estão a aguentar bem este mês muito quente e seco. A qualidade depende muito dos últimos dias antes da vindima”, salientou.

Olazabal referiu que as vindimas no Vale Meão arrancam na próxima semana com algumas castas mais precoces.

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

vote este artigo


 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos das categorias relacionadas

Tempo

Farmácias de serviço

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia