Banco arsenalista foi solução para assegurar o triunfo sobre os ‘castores’

Desporto

autor

Carlos Costinha Sousa

contactar num. de artigos 819

Uma exibição personalizada e com crença até ao final, permitiu ao Sporting Clube de Braga conquistar, ontem, uma vitória folgada por 3-0, na recepção ao Paços de Ferreira, com os três golos a serem apontados nos últimos 20 minutos da partida. Bruno Viana abriu o activo aos 70 e depois foram os homens que saltaram do banco de suplentes (Fábio Martins nas duas jogadas de golo, Ricardo Horta e Dyego Sousa, com um golo cada) a conseguirem construir o resultado final.

O jogo começou com os bracarenses a comandarem, assumindo as iniciativas ofensivas perante um Paços de Ferreira que se mostrava muito mais expectante e sem vontade de assumir a partida, esperando sim por espaços para o contra-ataque, situação em que foi anulado de forma superior pelos arsenalistas.

E aos 20 minutos, situação polémica na partida. Hassan marcou um golo de belo efeito, empurrando o passe de Ricardo Esgaio de calcanhar para o fundo da baliza pacense. Num primeiro momento o golo foi assinalado pelo árbitro, mas depois o VAR entrou em acção e Rui Oliveira anulou o lance, por fora de jogo de Xadas antes do passe para Esgaio. Lance bem anulado, desta vez, pelo VAR, após a visualização das repetições.

Até ao intervalo o jogo manteve-se com uma toada igual, com o SC Braga a dominar a partida, mas sem conseguir criar muito perigo para as redes dos castores que, por sua vez, conseguiram enviar uma bola à trave, naquela que foi a grande ameaça do Paços de Ferreira no primeiro tempo do encontro, que terminou empatado sem golos.
Na segunda parte esperava-se ainda mais SC Braga e foram-se confirmando as expectativas, com os bracarenses a ficarem em superioridade numérica em campo depois da expulsão de Mateus aos 65 minutos.

Daqui para a frente o jogo viu o SC Braga aumentar a pressão ofensiva e a conseguir inaugurar o marcador, por Bruno Viana. O central subiu para a marcação de um canto e, com alguma felicidade, viu o esférico embater-lhe na perna e entrar na baliza pacense.
Foi um golo que teve o condão de acordar a eficácia bracarense e, com as entradas de Fábio Martins, Ricardo Horta e Dyego Sousa, os Guerreiros do Minho partiram para aumentar a vantagem até ao 3-0 final.

Primeiro foi Ricardo Horta, aos 80 minutos, que recebeu um passe de Fábio Martins, dominou à entrada da área e rematou colocado sem hipóteses para Mário Felgueiras. Seis minutos depois foi Dyego Sousa que, de cabeça, deu o melhor seguimento ao cruzamento de Fábio Martins para apontar o terceiro tento arsenalista e confirmar uma importante vitória que leva o SC Braga aos 28 pontos.

Abel Ferreira: “Um bom resultado, num bom jogo frente a um bom adversário”

Um treinador satisfeito com a sensação de dever cumprido e orgulhoso da exibição produzida pela sua equipa. Assim se podia considerar que estava o treinador Abel Ferreira no final de um jogo que considerou um verdadeiro espectáculo da modalidade. “Este é um bom resultado, num bom jogo, perante um adversário por quem tenho um carinho especial, em que me revejo em muitos dos valores da humildade, trabalho, querer, acreditar e construir grão-a-grão o que têm feito nos últimos anos”, começou por referir o técnico.

Analisando a partida, Abel considerou que a sua equipa entrou muito forte no jogo, com “grande dinâmica, a obrigar o adversário a fechar os corredores. Fomos criando oportunidades e sabíamos que o golo estava a aparecer e apareceu. Toda a jogada foi fantástica, trabalhada dentro daquilo que é a nossa organização. O golo em si foi fantástico, viveu-se um grande ambiente e depois é como tirar um chupa a um miúdo”.

E este triunfo leva o SC Braga aos 28 pontos, permitindo uma aproximação dos lugares cimeiros (a dois pontos do Benfica e a cinco de Sporting e FC Porto). Mas Abel mantém o discurso: “não prometemos nada. O que assumimos desde o início vamos fazê-lo até ao fim. Vamos lutar pelos quatro primeiros lugares. Estamos a construir uma grande equipa, com um plantel onde temos grandes jogadores. Vamos construir a equipa assente em valores e objectivos que estão bem definidos e delineados. Vamos continuar focados, independentemente do que acontecer à nossa volta. Somos uma equipa jovem, parece que jogamos juntos à muito tempo, mas isso acontece há apenas alguns meses. Estamos a construir uma grande equipa”.

vote este artigo


 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos das categorias relacionadas

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia