Investigador da UMinho recebe prémio para criar modelos inovadores de cancro em 3D

Ensino

autor

Redacção

contactar num. de artigos 35068

Rui Reis, vice-reitor para a Investigação e Inovação da Universidade do Minho, recebeu o Harvey Engineering Research Award, no valor de 400 mil euros, para desenvolver um projecto inovador: criar modelos de cancro em 3D.
O prémio monetário vai ser usado para criar modelos inovadores e funcionais de cancro em 3D, que possam ajudar a prever a eficácia de medicamentos, evitando o recurso a diversos testes em animais e alguns ensaios clínicos. 

Este prémio é atribuído pelo Instituto de Engenharia e Tecnologia, com sede no Reino Unido. De salientar, que esta é a primeira vez que que o vencedor é um investigador que não fez carreira num país de língua inglesa. Para Rui reis “esta é a prova que é possível fazer ciência sem sair de Portugal”. Este é um dos maiores prémios internacionais na área da Engenharia.

De entre os vários candidatos de todo o mundo, que foram analisados por um júri internacional (não são admitidas candidaturas ao prémio, sendo os candidatos pré-seleccionados por esse júri), Rui Reis foi seleccionado devido “às suas contribuições notáveis e às décadas de investigação de excelência na área da engenharia de tecidos 3D para novos terapias regenerativas e para o desenvolvimento de modelos de doença”.

O financiamento proporcionado por este prémio vai apoiar mais cinco anos de investigação, cujo objectivo é criar uma plataforma única de engenharia de tecidos que permita a criação de microambientes de cancro em 3D. Estes microambientes podem ser usados como modelos funcionais de doença para testar medicamentos contra o cancro, que ainda estão a ser concebidos pela indústria farmacêutica, bem como experimentar terapias inovadoras, ainda em fase de ensaios pela comunidade médica.

O cancro é a terceira causa de morte em todo o mundo. “Um dos maiores obstáculos que os cientistas ligados ao desenvolvimento e à avaliação de novos fármacos e terapias contra o cancro enfrentam é o facto de os modelos pré-clínicos serem incapazes de prever, de uma forma fiável, se um determinado fármaco vai actuar contra o cancro e, ao mesmo tempo, ter uma toxicidade aceitável no organismo humano”, explica o também dirctor do Grupo 3B’s - Biomateriais, Biodegradáveis e Biomiméticos da UMinho. “É um privilégio ser o primeiro cientista galardoado, cuja carreira foi toda feita num país - Portugal - onde a língua não é a inglesa”, acrescenta.

John O’Reilly, presidente do comité de seleção para o “Harvey Engineering Research Award”, declarou: “Este prémio é atribuído ao professor Rui L. Reis em reconhecimento do seu notável percurso de investigação e impressionante recorde de publicações na área da engenharia de tecidos e medicina regenerativa. A investigação desenvolvida pelo premiado e pela sua equipa pode acelerar a avaliação de novos medicamentos e a aprovação de novos tratamentos para o cancro”.
No âmbito desta distinção, Rui Reis vai proferir a palestra ‘Eng The Cancer’, no próximo dia 20 de Março, nas instalações do IET, em Londres.

vote este artigo


 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos das categorias relacionadas

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia