“Eu não sou eu nem sou o outro sou qualquer coisa de intermédio”

Braga

autor

Teresa M. Costa

contactar num. de artigos 2458

Quem os ouve a declamar ‘Eu não sou eu nem sou o outro, sou qualquer coisa de intermédio (...) evocando o poema 7, de Mário Sá Carneiro, percebe que as suas capacidades vão muito para além da diferença que, no dia-a-dia, lhes tolda a vida e que eles, também, são capazes de ser felizes.
É através da arte que os utentes do Centro D. João Novais e Sousa, em Braga revelam as capacidades ‘escondidas’ pela sua deficiência mental e que, nos próximos dias 2 e 3 de Dezembro, levam ao palco do Auditório Vita, num espectáculo que irá assinalar o Dia Internacional da Deficiência e, certamente, surpreender o espectador.

Mais que um sarau de variedades, apesar de incluir diferentes artes, desde a música à dança, passando pela poesia, teatro e até vídeo, o objectivo do espectáculo é levar o espectador a questionar-se sobre o caminho para atingir a felicidade.
“Toda a gente pode conseguir encontrar a felicidade, independentemente das suas limitações e das suas capacidades” acredita Sérgio Cerdeira que partilha com o formador de teatro, Eduardo Dias, a direcção artística do espectáculo que está a ser preparado com os utentes do Centro D. João Novais e Sousa.

Sérgio Cerdeira está empenhado em mostrar que arte influencia a qualidade de vida das pessoas com deficiência.
O caminho começou a ser trilhado com a percussão pela mão da ‘Equipa Espiral’, que deu origem aos Zés Pereiras do Novais que puseram a cantar e a dançar utentes que até ali não respondiam à música. “É só premir o gatilho” aponta Sérgio Cerdeira que confessa que a opção inicial para o espectáculo era trabalhar com os utentes mais capacitados do ponto de vista motor, mas acabou por vingar a consciência de que era preciso incluir todos.

Quase todos entram no espectáculo e os que não estão lá, directamente, estão presentes nas projecções vídeo. “Fomos explorando tudo aquilo que eles nos foram dando, as capacidades que eles foram manifestando” até conseguir “uma estética coerente e um espectáculo homogéneo” descreve o encenador, referindo-se “às capacidades que não sabíamos que eles tinham porque nunca tínhamos abordado o assunto”.

Neste contexto, Sérgio Cerdeira destaca a abertura do Centro D. João Novais e Sousa a estas actividades, a título de “disciplina artística extracurricular”.
A directora técnica do Centro D. João Novais e Sousa, Lucinda Vilaverde, defende que o caminho para tornar estes utentes autónomos e aptos a participar na sociedade passa por educar a saber estar, a saber esperar. “A grande dificuldade está em descobrirmos as necessidades e as capacidades” reconhece a responsável técnica, realçando, no entanto, que “é o que os torna pessoas” e “é importante para eles e para as famílias” pelo que “todos temos que fazer um esforço”.

Lucinda Vilaverde acredita que quem for assistir ao espectáculo, nos dias 2 e 3 de Dezembro, “vai ficar sensibilizado e perceber que as pessoas com deficiência têm que ser tratadas como pessoas”. “Eles têm motivação, nós, às vezes, é que nos esquecemos da motivação deles” afirma a directora técnica.

Para Marlene Fernandes, a professora de dança que tem estado a trabalhar com os utentes do Centro D. João Novais e Sousa, “às vezes é mais importante a sensibilidade do que a técnica”.
No espectáculo, os utentes interpretam o poema de Mário Sá Carneiro através da dança fazendo perceber ao público que “eles também sentem as coisas” sublinha Marlene Fernandes que revela: “eles mostram que são mais capazes do que imaginamos, nós é que somos limitados ao pensar que não”.

É um despoletar de capacidades

“Quando entrei aqui pela primeira vez, achava impossível que tocassem bombo ou decorassem uma frase, agora declamam estrofes inteiras”. A constatação é de Sérgio Cerdeira, director artístico do espectáculo ‘Eu não sou eu...’ que está a ser preparado com os utentes do Centro D. João Novais e Sousa.
No final de mais um ensaio, Sérgio Cerdeira reconhece que “é uma aprendizagem mútua” porque os formadores que trabalham com estes utentes também estão a aprender a despoletar estas capacidades”.

O director artístico do espectáculo admite que estes actores são especiais “não só pelas suas limitações, mas pelas suas capacidades e pelos sentimentos à flor da pele”, identificando que “a verdade está sempre lá”.
A ensaiar há cerca de um mês, Sérgio Cerdeira garante que os actores “cumprem o guião à risca”, assumindo que “trabalhar com eles é uma surpresa todos os dias”.
“Se deixarmos as coisas fluir deparamos com capacidades extraordinárias” descreve.

O espectáculo envolve cerca de três dezenas de utentes directamente e mais uma dezena que participam nas projecções-vídeo.
A directora técnica da instituição, Lucinda Vilaverde, explica que houve a preocupação de envolver o maximo de utentes possível, mesmo aqueles que não costumam participar nas actividades.
Superado o medo inicial e muita carolice à mistura, Lucinda Vilaverde acredita que vai resultar: “pela envolvência e pela felicidade deles já começo a ver espectáculo”.

A própria responsável técnica do Centro D. João Novais e Sousa já foi surpreendida pelo espectáculo em preparação: “ouvir um tango tocado à concertina e tocado por duas pessoas que, no dia-a-dia, não conseguem conviver e que, nos ensaios, se olham nos olhos”. E não fica por aqui!

vote este artigo


 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos das categorias relacionadas

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia