Rui Sousa despede-se do ciclismo em Fafe

Desporto

autor

Redacção

contactar num. de artigos 33560

“Independentemente de, hoje em dia, a minha capacidade física já não ser a mesma, eu entendo que tenho de dar a vez aos mais jovens. Naturalmente, vou ter muita pena, todos os dias me tenho emocionado com aquilo que é o pensamento de despedida, sobretudo, da Volta a Portugal”, explicou à agência Lusa, no dia em que anunciou que vai encostar a bicicleta.
O fim tinha de ser na Volta a Portugal, a prova que leva, desde sempre, no coração. “Sair e deixar de correr tinha de ser nesta, que é a minha corrida e que é aquela corrida em que o público me apoia de uma forma que nem consigo muito bem descrever.

Isso tem sido patente não só na minha terra, mas em qualquer parte do país. Tem muito a ver com esses 20 anos de profissionalismo, de entrega, de luta, de acreditar sempre.

As pessoas acabaram por se habituar e acarinham-me por isso. Mas chegou a altura de dizer adeus”, assumiu o ciclista da RP-Boavista, que começou a pedalar aos 12 anos.
Embora seja presidente da junta da União de Freguesias de Barroselas e Carvoeiro, este apaixonado por pássaros (é criador e comerciante de aves exóticas), nascido em Barroselas (Viana do Castelo) há 41 anos, gostaria de ficar ligado à modalidade que foi e é a sua vida e para a qual deu o seu contributo de modo a torná-la mais popular.
“Vou sentir falta de estar na luta, porque sinto que toda a minha vida fui um guerreiro. Luto desde muito novo, sou oriundo de uma família muito humilde, que sempre me deu todo o apoio possível. E depois, dentro daquilo que foi o apoio, tive de lutar, lutar e lutar. Nunca tive nada caído do céu. Sinto-me feliz com aquilo que foi a minha carreira. Naturalmente, gostava de ter vencido uma Volta a Portugal, seria a ‘cereja no topo do bolo’ da carreira de um atleta que tem cinco pódios. Acho que é legítimo pensar que poderia ter vencido alguma. Não foi possível, os outros foram melhores nos momentos cruciais”, reconheceu.
Na hora da despedida, as emoções de Rui Sousa estão à flor da pele, com o veterano boavisteiro a levar muita coisa no coração dos 20 anos que passou como profissional, nas variantes da Porta da Ravessa (1998-2001), Milaneza-Maia (2002-2004), Liberty Seguros (2005-2009), na Barbot (2010-2013) e na Rádio Popular-Boavista (desde 2014).

“Quero agradecer a todas as equipas por onde passei, a todos os colegas que tive. Queria pedir desculpa a todas aquelas pessoas com quem não fui correcto na minha carreira, independentemente de ter razão ou não. Nesta modalidade, quase não tenho inimigos - posso ter uma pessoa ou outra. Até ao dia de hoje, continuo a ser um atleta respeitado pelos adversários. Noto que as pessoas gostam de mim e penso que isso tem a ver com a minha postura em corrida. Sempre soube, nos momentos bons ou menos bons [emociona-se], dizer que não venci, porque não fui o mais forte”, lembrou.

Com uma carreira tão longa, o lutador vianense não consegue escolher um momento ou uma data entre as suas cinco vitórias em etapas na Volta (no alto da Torre, em 2008 e 2014, na Senhora da Graça, em 2012, em Santa Luzia, em 2013, e em Fafe, na quinta-feira), os cinco pódios na prova rainha do calendário nacional (foi segundo em 2014 e terceiro em 2013, 2012, 2011 e 2002) ou o título de campeão nacional (2010).

vote este artigo


 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos das categorias relacionadas

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia