Barcelos: Câmara Municipal reduz dívida em mais de 60%

Cávado

autor

Redacção

contactar num. de artigos 34010

A Câmara Municipal de Barcelos aprovou, em reunião extraordinária realizada a 19 de abril, as contas referentes a 2016, marcadas pelo aumento da receita face a 2015, em cerca de 1,5 milhões de euros, situando-se nos 58.006.002€, o que corresponde a uma percentagem de execução de 88,4%.

No que concerne à despesa, a execução atinge os 72,5%, situando-se nos 47.571.519€, com as despesas correntes a chegarem aos 84,9% de execução e as de capital aos 54%.
Daqui resulta uma poupança corrente de 16.498.042€, a mais elevada dos últimos quatro anos, e um saldo de gerência de 10.434.482€.

No que diz respeito à dívida, em sete anos, o Município de Barcelos reduziu em mais de 60% a sua dívida, isto é, em 26 de milhões de euros. A 31 de dezembro de 2016, a dívida de curto prazo era de 1.698.212€ e a dívida de médio e longo prazo situava-se nos 15.059.763€.

A Câmara Municipal, em 2016, voltou a investir fortemente no concelho, atribuindo às juntas de freguesia mais de 7.700.000€, dos quais 4.900.000€ no âmbito do protocolo de competências que, desde 2010, tem vindo a celebrar com as juntas. Em subsídios diretos a estas estruturas do poder local, a Câmara Municipal atribuiu mais de 2.800.000€, sendo que, em 2016, nenhuma freguesia ou união de freguesias do concelho deixou de receber do Município apoio financeiro suplementar ao protocolo. Entre 2010 e 2017, a Câmara Municipal entregou às juntas de freguesia cerca de 35.000.000€ ao abrigo do protocolo, a que acrescentou 20.000.000€ em subsídios diretos. Nunca as freguesias do concelho de Barcelos foram dotadas de tantos apoios financeiros por parte do Município, mesmo excluindo o investimento direto feito pela Câmara Municipal em cada uma das freguesias ao longo dos últimos sete anos.

A Câmara Municipal continua determinada no apoio ao desenvolvimento equilibrado do concelho, pelo que, em 2016, começou a ser elaborado um conjunto de projetos de intervenção em equipamentos na área urbana e em equipamentos educativos por todo o concelho, com financiamento garantido pelo programa Portugal 2020, para além de projetos em infraestruturas e equipamentos a ser financiados pelo orçamento municipal.
A par destes investimentos, a Câmara Municipal mantém uma linha criteriosa de apoio às necessidades sociais, à cultura e ao desporto, ao turismo e à juventude.

A aposta em áreas determinantes para o desenvolvimento do concelho, como a que tem vindo a ser feita na área da educação, mostra como a implementação de políticas com efeitos a médio e a longo prazo requer uma atuação serena e determinada por parte do executivo municipal.

Os resultados obtidos ao longo destes últimos sete anos pelo executivo municipal de maioria PS traduzem uma nova forma de gerir o Município, com critérios muito realistas face à capacidade de arrecadar receitas, abandonando políticas orçamentais irrealistas com inscrição de receitas virtuais e suscetíveis de aumentar as despesas, pondo em causa um dos princípios fundamentais da boa gestão: o equilíbrio orçamental entre a receita e a despesa.

Foi neste quadro que o Município conseguiu adotar políticas sociais no sentido de corrigir maiores dificuldades no seio das famílias, nomeadamente nas seguintes áreas: aumento do apoio às rendas de casa; apoio à habitação social; bolsas de estudo; oferta de livros escolares a todos os alunos do primeiro ciclo; transporte de alunos com necessidades de frequentar o ensino especial; apoio nos transportes escolares em todo o concelho; apoio nas cantinas escolares; isenções de 100% e redução de 50% aos alunos carenciados nas cantinas escolares; programas de apoio a alunos carenciados para o fornecimento de pequeno-almoço na escola, em articulação com as juntas de freguesia e instituições; apoio às múltiplas associações que desenvolvem a sua atividade no âmbito da ação social e da solidariedade.

O Município continuará a fazer uma gestão equilibrada e coerente em tudo o que dependa exclusivamente das suas competências, no tocante à arrecadação das receitas e despesas, na perspetiva de uma boa gestão económica e financeira.

*** Nota da C.M. de Barcelos ***

vote este artigo


 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos das categorias relacionadas

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia