Dois sonhos nos desejos de aniversário do FC Ferreirense

Desporto

autor

Joana Russo Belo

contactar num. de artigos 1189

Há dois sonhos na lista de desejos de aniversário do FC Ferreirense: “que a junta de freguesia ajudasse a pagar o valor da luz mensal e um campo de apoio de futebol de sete”, contou o presidente cessante Delfino Ferreira.
“O facto de termos património tem também o outro lado: um desgaste enorme, de todos os dias termos a limpeza de seis balneários, posto médico, secretaria...Seria muito mais fácil, se aquilo que em tempos foi prometido ao Ferreirense fosse real, mas continua um sonho. Que a nossa freguesia ajudasse a pagar pelo menos a luz ao Ferreirense. É um sonho, porque, se a junta de freguesia pagasse o valor da luz, daria ao Ferreirense para catapultar o clube”, explicou.

Por outro lado, prosseguiu, “precisamos de um campo de apoio de futebol de sete para a formação corresponder à procura e a toda a gente que aparece para treinar no clube. A freguesia cresceu muito e temos as mesmas condições em termos de espaço que tínhamos em 1958, quando o clube nasceu”, frisou.
Dois sonhos que já não poderão ser concretizados no mandato de Delfino Ferreira, que cessa funções na presidência do clube brevemente.

Eleições estão agendadas para dia 25 de Março e António Rocha, actual coordenador da formação, é o candidato a assumir o lugar. “O projecto é trabalhar. Passei por todos os patamares do futebol, desde futebol profissional, treinador e jogador. Há sete anos fui convidado para organizar os miúdos e, a partir daí, depois de estar na formação, as pessoas apaixonam-se, foi o que aconteceu comigo, dos 365 dias do ano, passo 330 no clube. Fazemos isto com paixão. Vou dar a experiência que tenho, disponibilidade e trabalho”, revelou o candidato à presidência do Ferreirense, assumindo uma lógica de continuidade com a actual direcção.

“Com alguns elementos e outros que já passaram pelo clube. Para um projecto destes é preciso muita carolice, paixão, sacrifício da família e da vida pessoal que abdicamos para estar no Ferreirense”, rematou.

“Um clube histórico com alma jovem”

“Um clube histórico com alma jovem”. O 59.º aniversário do Futebol Clube Ferreirense foi festejado sob este lema e de olhos postos no futuro, na consolidação de um projecto que passa, acima de tudo, pelo fomento da prática desportiva dos mais jovens da freguesia de Ferreiros, em Braga.

Delfino Ferreira está na presidência do clube há seis anos e, em jeito de balanço dos 59 anos de vida da instituição, destaca “uma das histórias mais marcantes do futebol distrital” e a “mística” de um clube emblemático.
“O Ferreirense é um clube histórico com alma jovem, é uma referência na formação do futebol distrital e uma instituição muito respeitada na freguesia. É um clube muito próximo da freguesia de Ferreiros, até porque, é a instituição mais antiga da freguesia e foi uma referência durante muitos anos e para várias gerações de ferreirenses. Em Ferreiros, antigamente, havia duas coisas: a missa e o clube”, contou o dirigente, lembrando o trabalho intenso dos últimos seis anos.

“O balanço é positivo dentro do que nos foi possível realizar, foi um trabalho árduo que a nossa direcção encontrou, visto termos tido momentos menos bons alguns anos antes. Isto levou à criação de um projecto, o qual tivemos o cuidado de apresentar a toda a freguesia, um projecto para cinco anos, com o objectivo de ter condições mínimas para cativar cada vez mais à prática do desporto. Fomos sempre um clube em prol da juventude”, destacou Delfino Ferreira.

E explicou: “Foi preciso restruturar profundamente o FC Ferreirense, desde a própria sede, com várias intervenções no telhado e estrutura, desde o campo e seis balneários, caldeiras, posto médico, secretaria, cartões de sócio e, uma das coisas que mais me orgulhou foi o Hino do Ferreirense”, realçou o presidente.

A nível desportivo, o grande destaque destes seis anos de presidência vai para os três títulos de campeões distritais - um no escalão de juvenis e dois em juniores -, aos quais se juntam vários segundos lugares na Divisão de Honra, em juniores, “e o ano em que estivemos a um passo de subir aos nacionais, na época 2014/15”.

“O mais importante é cativar os miúdos para a prática do desporto. Nunca pedi a nenhum treinador que fosse campeão, tivemos essa felicidade várias vezes, porque quando se trabalha bem os resultados aparecem. A juventude, desde os quatro anos aos 18 é a nossa prioridade”, frisou o dirigente, lembrando os pontos altos da história do clube.
“Foi em 1984, quando jogámos na Taça de Portugal e quando passámos a Instituição de Utilidade Pública, em 1987”.

vote este artigo


 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos das categorias relacionadas

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia