Regime fundacional anima campanha para Conselho Geral da UMinho

Ensino

autor

José Paulo Silva

contactar num. de artigos 2172

A opção da Universidade do Minho pelo regime fundacional foi uma das linhas de fractura entre as três listas de professores e investigadores candidatas às eleições do Conselho Geral expressas ontem, no grande auditório do ‘campus’ de Gualtar, no segundo e último debate entre Rui Vieira de Castro, João Monteiro e Óscar Gonçalves, líderes das candidaturas ‘Afirmar a Universidade, Valorizar as Pessoas, Ganhar o Futuro!’, Uma Universidade de Todos para Todos’ e ‘Universidade Cidadã’.

Perante dezenas de professores e investigadores da UMinho, Rui Vieira de Castro, até há pouco tempo vice-reitor com o pelouro da Educação, assumiu “o compromisso claro com o sucesso do regime fundacional”, considerando que este modelo de gestão defende e valoriza “a natureza pública da UMinho”, facilitando a contratação de pessoal e a gestão do património.
Óscar Gonçalves, do grupo ‘Universidade Cidadã’, que votou contra a transformação da UMinho em fundação de direito privado no actual Conselho Geral, defendeu que, estando a decisão tomada, o tempo é de “avaliação dos riscos que podemos tomar”. Para o líder da lista C, há que “controlar o mais possível os danos” que o regime fundacional acarreta.

João Monteiro, da lista ‘Uma Universidade de Todos para Todos’, assumiu que a avaliação do regime fundacional deve ser feita daqui a cinco anos, altura em a opção por este modelo gestão pode ser renovada ou não. No entanto, o presidente da Escola de Engenharia está contra a contratação de docentes em regime privado e a transformação da UMinho “num grupo empresarial” que o estatuto de fundação potencia.

Num debate bastante sereno, Óscar Gonçalves e João Monteiro criticaram a opção de Rui Vieira de Castro de se posicionar, desde já, como putativo candidato a reitor.
A escolha do sucessor do actual reitor António Cunha é uma das primeiras decisões que o novo Conselho Geral irá tomar.

“Não é o momento para escolher o reitor. A candidatura a reitor ao mesmo tempo da candidatura ao Conselho Geral condiciona os elementos dessa lista”, declarou João Monteiro, enquanto Óscar Gonçalves sublinhou que “estas são eleições para o Conselho Geral”, sendo importante que se mantenha “a independência deste órgão do reitor e das unidades orgânicas”.

vote este artigo


 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos das categorias relacionadas

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia