Câmara de Guimarães inicia construção da nova EB 2, 3 das Taipas no verão deste ano

Vale do Ave

autor

Redacção

contactar num. de artigos 32078

Obra com investimento superior a 8 milhões de euros começa a ser construída durante o verão deste ano, ficando concluída na primavera de 2018. Atual edifício será demolido.

A Câmara Municipal de Guimarães, presidida por Domingos Bragança, aprovou esta quinta-feira, 16 de fevereiro, em reunião ordinária do Executivo, a proposta de adjudicação de construção da nova EB 2,3 das Taipas, pelo valor de sete milhões, oitocentos e oitenta e nove mil, vinte euros e dezassete cêntimos, montante ao qual acresce a taxa de IVA em vigor.

A atual escola será demolida e o novo edifício vai ser construído de raiz dentro de um prazo de 270 dias, equivalentes a nove meses, nos termos previstos no caderno de encargos. «8 milhões e 300 mil euros é um valor avultado, mas, por minha decisão, optou-se pela construção de uma escola nova! Nunca concordei com um remendo sobre alicerces completamente degradados, que não suportavam a realização de obras e que, ao fim de poucos anos, estavam outra vez a necessitar de uma intervenção», referiu Domingos Bragança.

Com uma área total de 11.200 metros quadrados, a nova escola, composta por três edifícios, terá 16 salas de aulas, salas de música, salas de informática, um pavilhão gimnodesportivo com bancadas, 2 ginásios, balneários, um auditório, laboratórios e núcleo de atividades artísticas e oficinais, biblioteca, refeitório, sala polivalente, além de espaços destinados ao corpo docente e não docente, como sala de professores, administração e uma secretaria.

Durante o período de obras, os alunos terão aulas nas diversas escolas da área geográfica do Agrupamento das Taipas. «A senhora Vereadora da Educação está a trabalhar com a Direção da Escola e a Associação de Pais um plano para a colocação dos alunos com condições de conforto», mencionou o Presidente da Autarquia, que espera uma comparticipação tripartida relativamente ao financiamento desta intervenção.

«Trabalhei e continuo a lutar para que a obra tenha o cofinanciamento devido: um terço pela Câmara, outro pelo Governo e mais 33% por fundos comunitários. Não desistirei que o financiamento seja assim, porque esta obra não é da nossa competência! Temos de esperar por 2018 e até poderá acontecer que, na reprogramação dos fundos comunitários, tenhamos 85 por cento de financiamento», realçou Domingos Bragança, prevendo o arranque da obra no início de julho e a sua conclusão em abril de 2018.

*** Nota da C.M. de Guimarães ***

vote este artigo


 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos das categorias relacionadas

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia