Um orçamento e uma base jurídica específica para o Corpo Europeu de Solidariedade

Ideias

autor

Alzira Costa

contactarnum. de artigos 53

Em 2016, no “discurso sobre o estado da União”, o Presidente da Comissão Europeia (doravante Comissão), Jean-Claude Juncker, anunciou a criação de um Corpo Europeu de Solidariedade, com o intuito de oferecer aos jovens entre os 18 os 30 anos a oportunidade de participarem numa vasta gama de atividades de solidariedade em toda a União Europeia (UE). Desde o seu lançamento, em 7 de dezembro de 2016, mais de 30 mil jovens aderiram ao Corpo Europeu de Solidariedade. Em março deste ano, as organizações começaram a procurar os perfis mais adequados às suas necessidades e, desde então, foram disponibilizadas cerca de 110 experiências e contactados à volta de 9 000 participantes, tendo, os primeiros dos quais, já iniciado a respetiva atividade.
Esta semana a Comissão conferiu uma base sólida ao Corpo Europeu de Solidariedade, ao propor um orçamento para os próximos três anos e uma base jurídica específica.
A proposta dá um impulso à consolidação da iniciativa e à criação de mais oportunidades para os jovens. Para além de ofertas de voluntariado, estágios e colocações, o Corpo Europeu de Solidariedade dará agora aos participantes, a possibilidade de lançar projetos de solidariedade próprios ou de se empenhar em atividades de voluntariado no âmbito de um grupo.
A primeira fase desta iniciativa, lançada em dezembro de 2016, mobilizou oito programas diferentes para proporcionar oportunidades de voluntariado, estágios ou empregos no âmbito do Corpo Europeu de Solidariedade.
«Mais do que um simples princípio, a solidariedade é um estado de espírito que vai ao encontro dos ideais da União. O Corpo Europeu de Solidariedade personifica este princípio. Podemos estar orgulhosos de tudo o que o Corpo representa e gratos a todos os jovens que estão a aderir e às organizações que disponibilizam lugares para os nossos jovens. Hoje, conferimos uma forma jurídica adequada ao Corpo Europeu de Solidariedade e um orçamento para apoiar a sua atividade. São os participantes no terreno que dão vida ao Corpo e à solidariedade europeia.», referiu Jean-Claude Juncker aquando da apresentação da proposta.
Para a próxima fase do Corpo Europeu de Solidariedade, estão previstos os seguintes tipos de atividades:
• Experiências práticas de solidariedade na realização de atividades de voluntariado por um período máximo de 12 meses, estágios habitualmente de 2 a 6 meses e colocações profissionais de 2 a 12 meses, de acordo com a legislação nacional aplicável.
• Equipas de voluntários constituídas por grupos de 10 a 40 jovens de diferentes países reunidos em torno de um objetivo comum, por períodos de 2 semanas a 2 meses.
• Projetos de solidariedade desenvolvidos por grupos de pelo menos cinco participantes, com a duração de 2 a 12 meses.
• Atividades de rede concebidas para atrair novos participantes para o Corpo Europeu de Solidariedade, promover o intercâmbio de boas práticas, prestar apoio pós-colocação e manter os participantes em contacto depois de concluídas as atividades.
Estas atividades darão aos jovens de toda a Europa novas oportunidades de participarem em ações de solidariedade para dar resposta aos desafios societais e reforçar as comunidades. Contribuirão ainda para melhorar as aptidões e as competências que os jovens necessitam para o seu desenvolvimento pessoal e profissional no início das respetivas carreiras. O Corpo Europeu de Solidariedade é uma iniciativa inclusiva. Certas medidas específicas, tais como financiamentos adicio- nais ou experiências de curta duração, promoverão a participação de jovens desfavorecidos.
Torna-se relevante enaltecer que qualquer organismo público ou privado pode propor projetos para o Corpo Europeu de Solidariedade, desde que cumpra rigorosas exigências de qualidade. A ação do Corpo Europeu de Solidariedade decorrerá sob a égide da Comissão, das agências nacionais do programa Erasmus+ nos Estados-Membros e da Agência de Execução relativa à Educação, ao Audiovisual e à Cultura (EACEA). A fim de melhorar a integração dos participantes do Corpo Europeu de Solidariedade no mercado de trabalho, os serviços de emprego, públicos e privados, e as Câmaras de Comércio serão incentivados a envolver-se na iniciativa.
A proposta apresentada inscreve-se no contexto do 30.º aniversário do programa Erasmus, um dos mais bem-sucedidos e tangíveis programas da UE. O que começou como um mero programa de intercâmbio no ensino superior, oferece hoje, sob a designação Erasmus+, um vasto leque de oportunidades de aprendizagem no âmbito do ensino superior, do ensino e formação profissionais, do ensino escolar, da educação de adultos, da juventude e do desporto.
A solidariedade é um valor que os cidadãos e os Estados-Membros da União Europeia partilham e ao qual dão vida dentro e fora das fronteiras da União.

vote este artigo

 

Comente este artigo

Faça login ou registe-se gratuitamente para poder comentar este artigo.

comentários

Não existem comentários para este artigo.

Últimos artigos desta categoria - Ideias

Tempo

Classificados

Edição Impressa (CM)

Edição Impressa (MF)

Newsletter

subscrição de newsletter

mapa do site

2008 © todos os direitos reservados ARCADA NOVA - comunicação, marketing e publicidade, S.A. | concept by: Cápsula - soluções multimédia